Tornando a vida mais doce

28 de setembro de 2013

Se você perguntar a Sana Adawi, uma residente de 40 anos de idade do campo de refugiados de Arroub, na Cisjordânia, as aulas sobre práticas saudáveis na cozinha levaram a uma mudança significativa: “Mulheres”, ela disse, “agora podem ser os médicos da família.” Assim ela descreveu o impacto da recém-lançada campanha da UNRWA chamada de “A vida é mais doce com menos açúcar” (Life is sweeter with less sugar).

A campanha é uma resposta aos níveis crescentes de hipertensão e diabetes entre os refugiados da Palestina nas cinco áreas de atuação da UNRWA. Os índices mais do que dobraram desde 2001. Só em 2011, a Agência gastou 41% de seu orçamento de saúde tratando de 211.533 refugiados com uma ou ambas enfermidades, que, se não forem tratadas, podem levar a outras complicações de saúde.

Um dos elementos principais da campanha são as aulas, oferecidas no momento em unidades da UNRWA na Jordânia e na Cisjordânia. Lá os participantes aprendem sobre doenças, regimes alimentares, exercício e mudanças de estilo de vida que podem ajudar na melhoria da saúde. Também têm aulas de culinária e fazem exercícios, que são sucesso entre os alunos.

O Dr. Ali Odatallah, médico da UNRWA na Jordânia, explica que para os pacientes “é uma experiência nova aprender a lidar com suas doenças no dia-a-dia.” Alla Al-Amla, nutricionista que orienta as aulas de culinária em Arroub, diz que ao ajudar os participantes, na maioria mulheres, a se cuidarem melhor, “nós os empoderamos para cuidar de sua própria saúde e também da saúde de suas famílias.” Ela acrescentou que práticas culinárias mais saudáveis “também ajudaram as famílias a reduzir suas despesas mensais.”

Planejada para ter a duração de seis meses, a campanha já está apresentando resultados em participantes como Jamila Abdullah, 51, de Arroub. Diabética, ela conta: “A informação me tranquilizou – agora sei mais sobre a doença.” No campo de refugiados conhecido como New Camp em Aman, na Jordânia, Mazoza, de 52 anos, diz que aprendeu “mais sobre sua doença, já perdeu peso e tem um estilo de vida mais saudável.”