Após visita a campo sitiado, comissário da ONU se diz ‘abalado’ com vida dos palestinos na Síria

27 de fevereiro de 2014

Foto: UNRWA

Jerusalém, 24 de fevereiro de 2014

Após visita ao campo de Yarmouk, perto de Damasco, na Síria, o chefe da Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados da Palestina (UNRWA), Filippo Grandi, nesta segunda-feira (24) se disse “profundamente perturbado e abalado” com o que viu. Ele destacou a necessidade de a Síria acabar com as barreiras para o acesso da ajuda humanitária a todos os civis.

“Os refugiados da Palestina com os quais falei estão traumatizados por causa do têm vivido e é evidente que muitos precisam de ajuda imediata, particularmente de comida e tratamento médico”, afirmou Grandi, acrescentando que espera um diálogo pacífico entre as partes em conflito no país.

Depois de 20 meses sitiado, a Síria autorizou a entrega de assistência em Yarmouk. A UNRWA distribuiu 7 mil cestas de alimentos, vacionou 10 mil pessoas contra a pólio e ofereceu uma série de outros serviços médicos entre 18 de janeiro e 20 de fevereiro. Mas as operações foram interrompidas diversas vezes por causa das dificuldades de acesso.

Fonte: ONU Brasil