Ataque de Israel a abrigo da UNRWA em Gaza mata crianças, mulheres e funcionário das Nações Unidas

24 de julho de 2014
Crianças de 6 anos de idade em Gaza estão passando por seu terceiro conflito, com enormes impactos psicossociais. Foto: UNRWA

Crianças de 6 anos de idade em Gaza estão passando por seu terceiro conflito, com enormes impactos psicossociais. Foto: UNRWA

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, afirmou nesta quinta-feira (24) estar “estarrecido” com a notícia de um ataque a uma escola contra uma agência da ONU no norte de Gaza, onde centenas de pessoas haviam se abrigado.

Segundo os relatos da imprensa, o ataque do governo de Israel contra a instalação da Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados da Palestina (UNRWA) em Beit Hanoun, no norte de Gaza, matou pelo menos 15 pessoas e deixou pelo menos 200 feridas.

Havia centenas de deslocados no abrigo na ocasião. Um fotógrafo da imprensa internacional que estava no local disse que havia “poças de sangue no chão e nas mesas dos alunos e no pátio da escola”. Esta foi a quarta vez que uma instalação da ONU foi atingida desde o início das hostilidades. Dezenas de outras instalações das Nações Unidas foram danificadas pelos bombardeios israelenses.

“Muitos foram mortos, incluindo mulheres, crianças e funcionários da ONU. As circunstâncias ainda não estão claras. Condeno veementemente este ato”, afirmou o chefe da ONU em nota.

O porta-voz da UNRWA, Chris Gunness, confirmou em seu Twitter o ataque. “Coordenadas precisas do abrigo da UNRWA em Beit Hanoun foram formalmente dados para o Exército de Israel. No curso do dia, a UNRWA tentou coordenar com o Exército israelense uma janela para que civis deixassem o local, mas isso não foi concedido”, disse.

Ban Ki-moon afirmou que, durante todo o dia, a ONU estava tentando coordenar uma pausa humanitária nas hostilidades para que civis pudessem ser evacuados. “Quero expressar os meus profundos pêsames às famílias das vítimas e as de tantas centenas de habitantes de Gaza inocentes que foram tragicamente mortos como resultado do ataque massivo israelense”, disse Ban Ki-moon.

Respeito ao direito internacional

No início desta semana, durante reunião no Conselho de Segurança da ONU e falando por videoconferência de Ramallah, Ban havia condenado o lançamento de foguetes pelo Hamas e apelado a Israel para ter um cuidado particular para evitar qualquer ataque a instalações das Nações Unidas em que os civis se refugiaram.

“Eu mais uma vez ressalto a todos os lados que eles devem cumprir as suas obrigações sob o direito internacional humanitário de respeitar a santidade da vida civil, a inviolabilidade das instalações da ONU e honrar suas obrigações para com os trabalhadores humanitários”, diz Ban Ki-moon.

“O ataque de hoje destaca o imperativo de que a matança deve parar – e parar agora”, disse Ban.

Ele disse que continuará trabalhando com os parceiros regionais e internacionais para ajudar a chegar a um acordo para acabar com o conflito “o mais rápido possível” para a população de Gaza e Israel.

Quase 800 mortos

Os últimos dados do Ministério da Saúde palestino apontam que 771 pessoas morreram em Gaza e 4.750 ficaram feridas, com pelo menos 76 mortos somente nesta quinta-feira (24). Mais de 140 mil habitantes de Gaza estão deslocados, segundo a ONU.

Do lado israelense, dois civis foram mortos, com 32 soldados tendo perdido a vida desde o início das hostilidades.

Em Gaza, seis membros de uma mesma família e um bebê de 18 meses de idade foram mortos quando um ataque aéreo israelense atingiu o campo de refugiados de Jebaliya, nas primeiras horas da manhã, segundo funcionários da administração civil de Gaza. Um ataque aéreo contra uma casa em Abassan, perto de Khan Yunis, no sul de Gaza, matou cinco membros de outra família, segundo o ministério.

A ONU está acompanhando a crise em www.onu.org.br/especial/gaza