Gaza: 600 mil pessoas podem ficar sem água; número de crianças palestinas mortas sobe para 36

15 de julho de 2014
Menina da Palestina carrega água em Rafah, no sul da Faixa de Gaza. Foto: UNICEF/Eyad El Baba

Menina da Palestina carrega água em Rafah, no sul da Faixa de Gaza. Foto: UNICEF/Eyad El Baba

Com a continuidade dos bombardeios promovidos pelo governo de Israel contra Gaza, a ONU estimou que pouco mais de 77% dos mortos tenham sido civis – todos palestinos. Com base nos dados e na ação no terreno, o Escritório da ONU de Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA) levantou preocupações sobre o respeito ao direito internacional humanitário.

A organização também relatou com preocupação o lançamento de foguetes por grupos armados palestinos a partir de áreas densamente povoadas, uma vez que a prática põe em perigo a vida de civis palestinos que residem nessas áreas.

Dezenas de milhares de palestinos no norte de Gaza fugiram de suas casas após as advertências israelenses, com 17 mil se abrigando em 20 escolas da Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados da Palestina (UNRWA).

A companhia de água de Gaza suspendeu as operações de emergência e os reparos devido à insegurança, alertando que o abastecimento de água para 600 mil pessoas está em risco. O Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) relatou que 400 mil pessoas perderam o acesso a água encanada devido à falta de energia ou aos danos provocados pelos ataques aéreos.

Das 178 pessoas mortas, 138 são civis. Outros 1.361 palestinos foram feridos, entre os quais estão 386 crianças e 249 mulheres.

O sétimo dia de emergência em Gaza, nesta segunda-feira (14), começou em meio à primeira onda de deslocamentos em massa. A agência da ONU informou que quase 23 mil crianças precisam de apoio psicológico, ao passo que sete centros médicos palestinos foram danificados pelos bombardeios.

No total, mais de 20 mil pessoas precisam de assistência para se alimentar. A OCHA alertou que apenas 42% dos fundos solicitados foram cobertos, com cerca de 230 milhões ainda necessários para enfrentar a crise.

Continue acompanhando em www.onu.org.br/especial/gaza