Campanha da UNRWA dentro de abrigos ajuda a prevenir doenças relacionadas à higiene e ao desperdício de água

11 de setembro de 2014
UNRWA

UNRWA

Desde o início de agosto, a UNRWA vem desenvolvendo campanhas de higiene e água em seus abrigos em Gaza. A iniciativa foi projetada para ajudar as pessoas deslocadas a tomarem a responsabilidade de promover abrigos limpos, a fim de evitar um surto em larga escala de doenças e infecções transmitidas pela água, bem como piolho e sarna. Jovens licenciados foram contratados no âmbito do Programa de Criação de Emprego da Agência e treinados para trabalhar com os deslocados para promover um ambiente saudável nas escolas superlotadas. Foram estabelecidos nos abrigos comitês de higiene e água responsáveis pela execução da iniciativa. Estes comitês são compostos de, por pelo menos, duas mulheres, dois homens e quatro adolescentes – duas meninas e dois meninos.

Anas Naemat, de 27 anos e pais de três filhos, se refugiou com sua família em uma escola da UNRWA depois de fugir de Khan Younis, no sul da Faixa de Gaza, em julho. Sua filha nasceu com um defeito grave no sistema urinário, exigindo constante troca de fraldas. Vivendo sob circunstâncias aflitivas em uma sala de aula superlotada Naemat disse: “tenho que garantir um ambiente limpo e seguro para minha família. Através das iniciativas da UNRWA, fomos encorajados a aprender sobre o uso correto de produtos de limpeza e racionalização da água. Comecei a explicar estas questões para as pessoas com quem dividimos a mesma sala de aula, instruindo-as a não deixar nenhuma louça suja ou lixo, como fraldas sujas, nas salas de aula”.

Na escola al-Amal em Khan Younis, onde Anas e sua família estão abrigados, os comitês estão reciclando resíduos sólidos. Com a ajuda dos facilitadores da higiene, as pessoas deslocadas são incentivadas a reciclar garrafas de xampu vazias e latas de água em artigos de uso doméstico projetados para tornar a vida nos abrigos superlotados um pouco mais fácil e confortável para todos. Maysoon Saleh Abu Sabt é uma das deslocadas que chama a escola da UNRWA de lar temporário. “Começamos a usar garrafas de plástico para fazer saboneteiras, funis de cozinha, copos e pás de lixo. A reciclagem ajuda a minimizar a quantidade de resíduos sólidos nos abrigos, o que é muito importante, tendo em vista as péssimas condições em que vivemos sob o bloqueio”, disse a adolescente de 19 anos.

Desde o anúncio do cessar-fogo em 26 de agosto, a situação tem sido muito fluida. A campanha precisou formar novos comitês nos abrigos pelo fato de muitos deslocados envolvidos no projeto terem saído. Na contagem mais recente, havia 35 comitês, com 290 membros em geral. Quase 70 sessões de sensibilização foram realizadas entre 2.859 pessoas deslocadas, com foco em limpeza, o uso de materiais de limpeza e as melhores práticas no uso da água. Entre outras aulas sobre como guardar a comida sem o risco de contaminação. Em apenas um dia, em 31 de agosto, 201 pessoas foram encaminhadas para pontos médicos e 11.007 deslocados se engajaram na campanha de limpeza.