Chefe da ONU pede que reconstrução de Gaza ajude a resolver as ‘causas profundas’ do conflito

14 de outubro de 2014
Ban Ki-moon em visita à escola da Unrwa em Gaza. Foto: ONU/Shareef Sarhan

Ban Ki-moon em visita à escola da Unrwa em Gaza. Foto: ONU/Shareef Sarhan

Em uma Conferência de Doadores em Cairo para a Reconstrução de Gaza realizada neste fim de semana, o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, exortou todas as partes a lidarem com a origem das causas de instabilidade na região a fim de evitar que o “ciclo de construção e destruição” torne-se um ritual.

“Gaza continua sendo um barril de pólvora”, disse o chefe da ONU, reiterando a necessidade de “ampliar o horizonte político para acabar com a ocupação que dura quase meio século e leve a uma solução de dois estados, onde o Estado da Palestina coexista com Israel em paz e segurança”.

Para isso, é necessário fortalecer o cessar-fogo através de amplos diálogos de paz e que ambas as partes se abstenham de tomar ações unilaterais que apenas exacerbam as tensões e os ressentimentos, destacou o secretário-geral.

De acordo com relatos, os doadores presentes na Conferência prometeram 5,4 bilhões de dólares para a reconstrução de Gaza, um montante superior de 4 bilhões de dólares solicitados pelas autoridades palestinas. “A quantidade, prometida pela comunidade internacional, é bastante animadora, considerando a situação econômica atual do mundo”, acrescentou Ban.

Ban Ki-moon visita Ramallah e Jerusalém
Nesta segunda-feira (13), o secretário-geral visitou às cidades de Ramallah e Jerusalém, onde se reuniu pela manhã com o primeiro-ministro palestino Rami Hamdallah e a tarde com o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu.

Na ocasião, ele apelou a ambas as partes para pôr fim ao “interminável e desnecessário ciclo sem sentido de sofrimento” que continua provocando tensões em toda a região já por meio século. Além disso, pediu a ambos que cheguem a um acordo e evitem mais um trágico “conflito no futuro.”

Ele reiterou as partes envolvidas para se reunir e traçar um caminho claro em direção a uma paz justa e decisiva, incluindo a realização de um levantamento completo do bloqueio e a garantia de resposta às preocupações legítimas de segurança de Israel.
Nesta terça-feira (14), Ban Ki-moon visitará vários locais destruídos durante o conflito em Gaza e um kibutz israelense que foi atingido por foguetes durante o conflito.