UNRWA apoia agricultores em Biddu durante colheita da azeitona

23 de outubro de 2014
UNRWA

UNRWA

O grupo de ajuda humanitária no campo (HCT) organizou nesta quarta-feira (22) um evento e uma visita coletiva na Cisjordânia, em solidariedade com os agricultores palestinos afetados pela barreira da Cisjordânia durante a colheita da azeitona. O diretor de operações da UNRWA na Cisjordânia, Felipe Sanchez, se juntou com representantes do HCT, diplomatas da Bélgica, França e Finlândia, entre outros voluntários para o evento.

A colheita da azeitona é um evento econômico, social e cultural importante para os palestinos, com quase metade de todas as terras cultivadas nos territórios palestinos ocupadas com oliveiras. No entanto, as restrições devido à barreira e o regime de autorização israelense prejudicam os agricultores palestinos em Biddu e outras áreas, inclusive durante a época de colheita da azeitona. Estas restrições de acesso resultaram em um declínio significativo na produção dos agricultores e, portanto, em sua renda.

As atividades começaram com uma visita coletiva em al-Janiya, onde o grupo HCT foi introduzido aos problemas enfrentados pelos agricultores nessa área. A segunda parada foi no portão, que constitui a entrada principal de Biddu, onde Felipe Sanchez discutiu o impacto da circulação e as restrições de acesso israelenses, especialmente aquelas causadas pela barreira e o regime de licença associada.

“Cerca de 70% dos 30 mil moradores de Biddu são refugiados da Palestina. No entanto, essa comunidade foi em grande parte autossuficiente e só foi considerada vulnerável ​​pela Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados da Palestina (UNRWA) desde a construção da barreira, quando começaram a enfrentar um regime pesado e restritivo imposto pelas autoridades israelenses.” afirmou Sanchez. Também observou que a construção da barreira na área de Biddu começou no mesmo ano que o Tribunal Internacional de Justiça declarou que as seções da barreira construídas dentro da Cisjordânia representavam uma violação das obrigações de Israel frente à lei internacional. Sanchez concluiu: “Se fosse necessário lembrar os desafios enfrentados pelos palestinos em seu cotidiano e de como é para os refugiados da Palestina viver no campo sob ocupação, esta história do enclave em Biddu se torna um exemplo desses desafios”.

Abu Ra’afat, de 56 anos, pai de dois filhos e avô de nove, morador da aldeia de Beit Izja na área de Biddu disse: “A colheita da azeitona é uma celebração para toda a família. Meus netos ficam tão entusiasmados que começam a puxar os tapetes que usamos para recolher as azeitonas um mês antes de começarmos. É uma celebração, porque é a nossa renda para o ano todo. As manhãs em que não conseguimos permissão fico muito decepcionado. Gostaria que a cerca não existisse”.

Após a turnê, o grupo se reuniu no parque municipal de Biddu, onde voluntários de organizações não governamentais e das Nações Unidas ajudaram os agricultores com a colheita da azeitona no início da manhã. A colheita da azeitona foi seguida por discursos da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), do Ministério da Agricultura palestino e um representante do conselho da comunidade. Também foram realizadas exposições e atividades comunitárias relacionadas com a colheita da azeitona.

Clique aqui para ler mais sobre o enclave em Biddu ou aqui para ver o infográfico.