UNRWA treina professores para ajudar alunos a curarem as ‘cicatrizes psicológicas’

2 de outubro de 2014
Conselheiros do programa de Saúde Mental Comunitária da UNRWA treinam um grupo de professores em Gaza sobre como fornecer apoio psicossocial para crianças e técnicas de liberação emocional. Foto: UNRWA / Shareef Sarhan

Conselheiros do programa de Saúde Mental Comunitária da UNRWA treinam um grupo de professores em Gaza sobre como fornecer apoio psicossocial para crianças e técnicas de liberação emocional. Foto: UNRWA / Shareef Sarhan

A Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados da Palestina (UNRWA) comunicou nesta quinta-feira (2) que está capacitando professores em Gaza para prestarem apoio psicossocial aos 241 mil alunos que voltaram às aulas na região.

O porta-voz da UNRWA, Chris Gunness, disse que a agência

“continua empenhada em lidar com as cicatrizes psicológicas” deixadas pela operação militar de Israel que durou 50 dias.

Como parte do programa da UNRWA, os professores aprendem técnicas de gerenciamento de estresse, educação para competências de vida para alunos do ensino fundamental e atividades recreativas estruturadas para os alunos.

Gunness também confirmou que 138 estudantes da UNRWA foram mortos durante a operação militar.

A mais recente onda de violência matou 1.479 civis, incluindo 506 crianças. Os dados foram divulgados no final de setembro pelo escritório do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH). O número de crianças feridas no conflito foi de 3.435, muitas das quais vão sofrer com deficiências ao longo da vida.

“Por trás de cada uma dessas estatísticas, existe uma história individual de partir o coração, uma dignidade e um destino que devem ser respeitados”, disse Gunness.
Paralelamente, a UNRWA anunciou uma revisão na avaliação realizada sobre os danos a residências em Gaza, subindo de 60 mil para 80 mil o número de casas danificadas. Entre elas, estimaram que ao menos 20 mil estejam inabitáveis.