Comissário-geral da UNRWA participou de conferência sobre a situação dos refugiados da Síria

4 de novembro de 2014
UNRWA

UNRWA

Gostaria de agradecer ao ministro Steinmeier, o ministro Müller e o governo da Alemanha por realizar esta conferência tendo em foco o debate sobre a situação das comunidades de refugiados em tempos de guerra. Vejo esse evento como reconhecimento da importância dos refugiados da Palestina em um contexto mais amplo por parte do governo alemão.

Com o retorno à sua terra natal barrado, os refugiados da Palestina sentem-se vulneráveis. Estamos gratos pela hospitalidade dos governos do Líbano e da Jordânia que receberem respectivamente 400 mil e 2 milhões de refugiados da Palestina durante as últimas décadas. Mas as fronteiras fecharam para os palestinos da Síria. Hoje, os palestinos que buscam fugir da guerra são forçados a seguirem as rotas mais drásticas. Apelo à comunidade internacional a agir de forma contundente para ajudar esse grupo específico a superar suas vulnerabilidades.

Do ponto de vista da Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados da Palestina (UNRWA), três fatores-chave são vistos como importantes para destacar no âmbito deste debate:

1) Em resposta à preocupação manifestada pelo Ministro Steinmeier, o foco histórico da UNRWA em educação na região é um importante fator para a estabilidade. O fato de que 500 mil crianças frequentam escolas da UNRWA a cada ano, dos quais aproximadamente 200 mil na Síria, Líbano e Jordânia, significa que estas crianças não estão expostas em outros lugares. Elas estão estudando e adquirindo habilidades e conhecimento essenciais para o futuro.

2) Podemos estar testemunhando o início de uma segunda comunidade de refugiados de longo prazo no Oriente Médio. Após os palestinos, os sírios. Se há uma agência na região que tem experiência em lidar com questões de longo prazo é a UNRWA. Leve-nos em conta como uma ilustração do pode ser alcançado para refugiados na educação, saúde, entre outros e como uma lembrança viva do que acontece quando não é encontrada uma solução para lidar com as causas políticas subjacentes dessa situação. Estou consciente de quão diferente são as questões da Palestina e da Síria, mas a UNRWA está profundamente familiarizada com as consequências humanas das crises políticas não resolvidas. Estamos preparados para partilhar nossa experiência – conquistas e desafios – com todos os atores envolvidos.

3) Mais uma vez, estou ciente de que esta conferência se concentra principalmente nos refugiados sírios, mas peço que quando se refere a “pessoas afetadas” inclua os refugiados da Palestina. Ignorar a realidade da região é um risco que o mundo não pode correr.