Afogamento de palestinos na costa da Sicília é um ‘sinal claro e trágico’ da situação insustentável

20 de março de 2015

De acordo com relatórios mais recentes, nove palestinos se afogaram nas proximidades da costa da Sicília, na Itália, no último dia 4 de março. Eles estavam com um grupo de 59 refugiados da Palestina que tentavam chegar à Europa através da costa da Líbia.

Segundo o porta-voz da Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados da Palestina (UNRWA), Chris Gunness, estes palestinos eram refugiados na Síria, em Gaza e no Líbano.

O conflito na Síria tem sobrecarregado as comunidades de refugiados da Palestina no país, causando um desrespeito generalizado do direito internacional humanitário e da proteção dos civis.

No Líbano, onde os refugiados palestinos já são social e economicamente marginalizados, e a sobrecarga só vem os empurrando cada vez mais para a miséria.

“Em Gaza, os efeitos da ocupação, bloqueio e campanhas militares recorrentes devastaram não só vidas, casas e a renda de refugiados palestinos, mas também a esperança de um futuro digno”, afirmou Gunness.

Segundo o porta-voz da UNRWA, estas tragédias de afogamentos de homens, mulheres e crianças não são ocasionados apenas pelos conflitos armados, ocupação e falta de proteção dos direitos humanos, mas principalmente pela impossibilidade de resolver o problema dos refugiados da Palestina.