Desenhando sonhos: aulas de arte para as crianças refugiadas de Gaza

10 de junho de 2015

Às 10 horas da manhã em uma escola da UNRWA em Shujjaiya, no leste de Gaza, cerca de 25 alunos sentam-se ao redor de grandes mesas de madeira cobertas com papel de seda rosa, roxo e azul, caixas de aquarela e pincéis longos e finos. O ambiente é descontraído e as crianças sorriem.

As aulas de arte em escolas da UNRWA fazem parte dos esforços da Agência para atenuar os efeitos psicossociais do conflito armado sobre a população de estudantes refugiados da Palestina em Gaza. O programa foi generosamente financiado pela Dubai Cares, uma organização de caridade dos Emirados Árabes, como parte de um projeto de 3 milhões de dólares.

“Os desenhos de hoje são muito diferentes de quando eu comecei com as aulas de arte”, diz a professora de arte Marwa Amer Al Assar da escola de Shujjaiya, um bairro famoso por ter sido alvo de constantes bombardeios e devastação durante o conflito do verão passado. “No início, as crianças desenhavam a guerra, elas desenhavam casas destruídas e usavam cores pretas e escuras em todas as suas pinturas. Com o tempo elas começaram a mudar e hoje pintam seus sonhos e o que desejam para si e para suas família no futuro”.

Desenhar seus sonhos pode ser algo normal para os alunos de muitos países, mas as crianças desta escola de Gaza são testemunhas da destruição, do deslocamento e das mortes ocorridas ao longo dos últimos sete anos em repetidos ciclos de conflito armado. Elas nasceram e vivem em um enclave que abrange apenas 365 quilômetros quadrados, isolado do resto do mundo e devastado pela pobreza e pelo alto índice de desemprego.

O projeto da Dubai Cares foi lançado em janeiro de 2015 e inclui o recrutamento de 364 professores de arte e esporte para 190 escolas da UNRWA. Estes profissionais, homens e mulheres, ajudam as crianças a desenvolver mecanismos para lidar de maneira positiva com a situação em que vivem através do esporte, arte e apoio psicossocial. O projeto durará até novembro de 2016.

Confira abaixo as fotos do fotógrafo da UNRWA, Khalil Adwan.