UNRWA facilita diálogo e ações para juventude e voluntários em Gaza

4 de setembro de 2015

Asma Al Zahar, uma participante do projeto de voluntários da Iniciativa de Gênero da UNRWA para o Dia Internacional da Juventude. Foto: UNRWA
Asma Al Zahar, uma participante do projeto de voluntários da Iniciativa de Gênero da UNRWA para o Dia Internacional da Juventude. Foto: UNRWA

“Como engajar a juventude em organizações da sociedade civil” foi o tópico discutido em um painel realizado em Gaza durante o Dia Internacional da Juventude, comemorado dia 12 de agosto. O Programa de Iniciativa de Gênero da UNRWA realizou o evento em parceria com organizações comunitárias da Faixa de Gaza.

A equipe do programa aproveitou o tema do evento para colocá-lo em ação, organizando dois dias de trabalho voluntário para 60 moças e rapazes refugiados da Palestina em Gaza. Os jovens tiveram a chance atuar como voluntários em Organizações Não Governamentais (ONGs) e Organizações Comunitárias parceiras da UNRWA.

Asma Al Zahar foi uma das participantes. Ela se formou na Universidade de Al Aqsa, em Gaza, em 2012. Desde então, Asma tem incessantemente tentado se envolver em trabalhos voluntários em uma organização local, para desenvolver suas habilidades, seu caráter e abrir uma janela de esperança que pode leva-la a encontrar um emprego.

“A juventude de Gaza tem muito potencial, eles só precisam de alguém para apoiá-los, dá-los uma chance de explorar o que está acontecendo em volta deles e incentivá-los a exercerem seus papéis na comunidade”, disse Asma.

“Este ano eu tive a chance de trabalhar como voluntária por dois dias através da parceria do Programa de Iniciativa de Gênero da UNRWA com a organização comunitária Gaza Graduates Society (Sociedade de Licenciados de Gaza, em tradução livre). Através desta experiência, eu me senti confiante e produtiva… assim, quando alguém acredita em você, você nunca vai pensar em decepcioná-lo.”

Os oito anos do bloqueio israelense imposto a Gaza, que restringe severamente o movimento de pessoas e bens, significa que a maioria dos jovens não é capaz de explorar oportunidades de trabalho fora do enclave costeiro. O Escritório Central de Estatísticas Palestino constatou que no primeiro trimestre de 2015 a taxa de desemprego em Gaza foi de 41,6 por cento, uma das mais altas no mundo. De acordo com o Banco Mundial, em 2014 o desemprego dos jovens subiu para mais de 60 por cento.

“Eu realmente incentivo o trabalho voluntário para a juventude. É uma chance de desenvolver habilidades, ganhar experiência e construir caráter”, opinou Asma.