Chefe de Gabinete da UNRWA visita escola para meninas na Jordânia

20 de janeiro de 2016

Imagine um mundo feito de 100 pessoas. Qual seriam suas aparências? Que tipo de pessoas seriam? Qual idioma falariam? Quais seriam os valores da sua cultura?

“Se o mundo fossem 100 pessoas” é apenas uma das muitas atividades realizadas em escolas da UNRWA como parte do programa de educação dos direitos humanos, que permite aos alunos descobrirem e apreciarem a diversidade, bem como discutir questões globais.

Em uma visita à Escola Preparatória para Meninas New Camp em Amã, na Jordânia, a Chefe de Gabinete da UNRWA, Antonia De Meo, teve a oportunidade de falar com as alunas sobre as suas reflexões sobre esta atividade e os conceitos que aprenderam. Ela perguntou às alunas, “o que você mais gosta sobre direitos humanos? O que você aprendeu sobre o mundo através da lição de hoje?”

Juman, de 12 anos de idade, respondeu entusiasticamente: “há diversidade em tudo – religião, idioma, país e aparências. É espectacular!” seu amigo Bushra concordou, dizendo, “se todo o mundo falasse um idioma, seria um lugar chato de se viver.”

A UNRWA treina seus professores para integrar as questões de direitos humanos em matemática, leitura e outras disciplinas ensinadas como parte do currículo regular e para promover o envolvimento ativo do aluno. O kit do programa de educação de direitos humanos, resolução de conflitos e de tolerância (HRCRT) é um recurso acessível e abrangente que utiliza diferentes atividades não apenas para ajudar os alunos a compreender os direitos humanos, mas a prática de tolerância e aceitação dos outros na sua vida cotidiana.

No final da sua visita à sala de aula, a Sra. De Meo disse aos estudantes: “Estou muito satisfeita por estar aqui hoje e partilhar do seu entusiasmo com os direitos humanos. Existem muitas e diferentes culturas e povos por todo o mundo, tendo cada uma habilidades, talentos e experiências únicas. O importante é tentar comunicar-se e ouvir o que as pessoas de outras origens têm a dizer e no que acreditam e eventualmente vamos compreender e apreciar um outro.”