Desafiando estereótipos: A professora da UNRWA Hala Mesmih ajuda crianças surdas a se integrarem na sociedade

20 de janeiro de 2016

Hala Mahmoud Mesmih, uma refugiada da Palestina de 26 anos, nasceu com uma grave deficiência auditiva. Embora esta deficiência dificultasse sua capacidade de comunicação, Hala frequentou a escola regular da UNRWA até os dez anos, quando sua audição se deteriorou ainda mais. A dificuldade para acompanhar as aulas cresceu e ela começou a criar antipatia à escola. Por esta razão, a UNRWA organizou a transferência de Hala para a escola especial para crianças surdas do Centro de Reabilitação Comunitário do campo de Deir El-Balah, no centro de Gaza. A Agência também forneceu aparelhos auditivos e ela rapidamente aprendeu a se comunicar através de linguagem dos sinais. Hala terminou seus estudos com um desempenho excelente.

O apoio oferecido pela UNRWA não se limitou aos estudos de Hala. Para habilitar sua integração plena na sociedade, ela obteve uma oportunidade de emprego através do programa de criação de emprego da Agência. Hala agora é professora de linguagem dos sinais para crianças surdas com menos de quatro anos de idade no Centro de Reabilitação Comunitário em Deir El-Balah – o mesmo centro onde ela foi alfabetizada na linguagem dos sinais.

“Quando eu tinha a idade deles, muitas vezes me senti solitária e impotente porque não ser capaz de compreender os meus professores. Mas quando eu vim para o Centro de Reabilitação Comunitário, tudo mudou – toda a minha vida mudou! Agora o meu objetivo é mudar as imagens estereotipadas que as pessoas em nossa sociedades têm das pessoas com deficiência”, explicou Hala.

“As pessoas acreditam que ser surdo significa ser insuficiente, mas isso não é verdade. Pessoas com deficiência podem muitas vezes fazer exatamente as mesmas coisas que as pessoas sem deficiência – elas precisam apenas de algum apoio e alguém que lhes dê a oportunidade de provar que são capazes,” acrescentou.