METADE DAS ESCOLAS DA UNRWA FORAM AFETADAS POR CONFLITOS NOS ÚLTIMOS CINCO ANOS

17 de junho de 2016
relatório educação

UNRWA apresenta seu formato inovador de “Educação em emergências”

Dentre as muitas tragédias ocorrendo no Oriente Médio, a história das “escolas em meio ao combate” deve ser uma das menos conhecidas. As linhas de frente chegam às escolas, as balas atingem as instalações, ocorrem incursões de forças ou grupos armados e o acesso é impedido ou impossibilitado para meninos e meninas, para quem a educação é crucial.

Aproximadamente metade das 692 escolas operadas pela Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados da Palestina (UNRWA) na região foram impactadas, atacadas ou de alguma maneira ficaram inoperantes devido à um conflito nos últimos cinco anos, de acordo com um novo relatório divulgado pela Agência durante a Cúpula Mundial Humanitária, que aconteceu em Istambul. “302 escolas foram diretamente afetadas, um número impressionante”, disse o comissário-geral da UNRWA, Pierre Krähenbühl, em um artigo publicado recentemente.

Em sua fala na Cúpula em Istambul, onde proteger a educação era um tema central, Krähenbühl enfatizou a coragem e a determinação dos professores da UNRWA, especialistas e diretores, que preservam o acesso à educação para meio milhão de meninos e meninas refugiados da Palestina, apesar das condições extremamente adversas.

“Em nosso inovador programa ‘Educação em Emergências’, nós damos aulas para dezenas de milhares de crianças refugiadas no Oriente Médio através da ‘TV UNRWA’ que transmite módulos de educação a distância interativos. Em Gaza, no Líbano, Síria e na Cisjordânia, centenas de conselheiros psicossociais especialmente treinados trabalham com crianças traumatizadas para recuperá-las e para que possam seguirem em frente com suas vidas. De muitas maneiras, nós simplesmente nunca desistimos”, diz.

A mensagem principal da UNRWA na Cúpula foi ressaltar a educação com um investimento principal em dignidade, desenvolvimento humano e uma medida de estabilidade para os refugiados da Palestina, que representam 40% das pessoas em situação prolongada de refúgio no mundo. Através da educação, a UNRWA é capaz de olhar para os jovens estudantes não apenas como vítimas do conflito e de injustiças, mas também como atores de seus próprios destinos, determinados a fazerem sua contribuição.

“Projetos de Desenvolvimento e Ajuda Emergencial foram um grande tema na Cúpula, e eles estão lado a lado nas ações da UNRWA.

O relatório da UNRWA apresenta detalhes ‘extremamente perturbadores’ de ataques a escolas na Síria, em Gaza, no Líbano e na Cisjordânia e apresenta depoimentos de algumas crianças afetadas. Krähenbühl pede aos Estados e aos outros atores envolvidos que “abstenham-se de tais ataques, respeitando o caráter civil das instalações da ONU e poupem a vida de crianças, civis e trabalhadores humanitários. Para as crianças, a educação é um passaporte para a dignidade e proteger as escolas dos efeitos dos conflitos e violência será um teste essencial da capacidade do mundo em cumprir o compromisso de ‘não deixar ninguém para trás. ’”

“Por mais de seis décadas, a UNRWA tem sido uma parte essencial do sistema humanitário mundial”, diz o representante da Agência. “Com frequência temos visto o terrível custo humano dos conflitos. Por isso, apoiamos o apelo do Secretário-Geral por um fortalecimento da liderança política para prevenir e acabar com a guerra e com o deslocamento humano. Isso inclui o conflito entre Israel e Palestina, conforme a lei internacional e as resoluções da ONU”.

Krähenbühl concluiu que “na Cúpula, a UNRWA se juntou às iniciativas para um ‘Grande Acordo’ sobre o financiamento humanitário entre doadores e organizações humanitárias na esperança que isso signifique preservar e melhorar o investimento em educação para centenas de milhares de crianças refugiadas da Palestina. É o futuro e a humanidade delas que está em jogo, e, como o relatório do Secretário-Geral da ONU nos lembra, não há senão ‘Uma Humanidade. ’”

Clique aqui ou na imagem a seguir para acessar o relatório, em inglês.